“Não é possível que irão também tampar a boca dele”, diz líder do PT sobre julgamento e potencial de transferência de votos de Lula

Em entrevista concedida à rádio Alagoinhas Hoje, nesta quinta-feira (01), o deputado estadual Joseildo Ramos, líder do Partido dos Trabalhadores na Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), voltou a falar sobre a recente condenação do ex-presidente Lula e comentou os resultados da pesquisa Datafolha divulgada ontem (31), que mensura os possíveis impactos da medida judicial na disputa eleitoral que ocorrerá este ano. “Querem tirá-lo do processo à força, mas não vão ganhar assim. A última pesquisa aponta claramente que com ou sem Lula, o campo progressista tem vantagem nas eleições porque ele é o maior transferidor de votos. Não é possível que irão também tampar a boca dele”, afirmou se referindo à possibilidade do ex-presidente apoiar outro candidato se considerado inelegível pelo TSE.

De acordo com os dados da Datafolha, Lula ganharia contra todos os adversários propostos tanto no primeiro quanto no segundo turno, aparecendo com até 37% de intenção de voto. Ainda segundo informações da pesquisa, embora o deputado Jair Bolsonaro (PSC) lidere em um cenário que não tenha Lula como candidato, o ex-presidente ainda exerce forte impacto como influenciador de votos. No caso de ser efetivamente impedido de participar das eleições, um candidato indicado por ele seria apoiado “com certeza” por 27% do eleitorado e 17% das pessoas afirmaram que considerariam essa indicação na hora do voto.

Condenação

Ainda em entrevista, Joseildo fez duras críticas à atuação do Poder Judiciário durante o julgamento do ex-presidente Lula, condenado em segunda instância pelo TRF-4 no último dia 24 de janeiro. “A Justiça está se sobrepondo, sem limites e sem controle social, aos demais poderes. A política está judicializada. Não estou falando isso para defender o meu presidente, estou falando por ele e pelos outros”, argumentou.

Para o parlamentar, apesar dos “méritos incontestáveis da Operação Lava-Jato”, a Justiça demonstrou desrespeito à Constituição brasileira ao condenar Lula por um motivo diferente daquele apresentado na denúncia original do Ministério Público Federal, e por permitir a continuidade do processo, uma vez que o próprio juiz Sérgio Moro explicitou em sua sentença nunca ter sustentado a tese original de que a propina adveio de verbas oriundas dos contratos da Petrobras. “Quando você condena por algo diferente da peça acusatória, o julgamento está inválido porque isso restringe o direito da ampla defesa. Mas o corporativismo dos desembargadores demonstrou que o poder judiciário do Brasil tem sido bastante criativo, inaugurando condutas não previstas no ordenamento jurídico. Algo que, inclusive, recebeu posicionamento crítico até da ONU”, afirmou.

 

Comentários

Comentários

Posted in Notícias.